Prefeito e Vice debatem e buscam recursos na XXIV Marcha de Prefeitos

Prefeito Clenio Boeira, vice-prefeito Tiago Szortyka e o vereador Felipe Guimarães estão na XXIV Marcha a Brasília em Defesa dos Municípios, que começou nesta segunda, 27 de março – este ano completando 25 anos, organizada pela CNM – Conferderação Nacional dos Municípios. O evento é sediado no Centro Internacional de Convenções do Brasil. Além de prefeitos e autoridades municipais, participam senadores, governadores, deputados estaduais e federais e ministros em torno das demandas dos municípios e construção de políticas públicas. Os gestores de Dom Feliciano buscam também a captação de recursos, já que o governo do presidente Lula decidiu liberar R$ 3 bilhões em emendas parlamentares para municípios de todo o país.
No primeiro dia, debateram sobre obras municipais paradas e a operação do CIPI – Cadastro Integrado de Projetos de Investimentos, desafios do saneamento com o novo Marco, financiamento da Educação Municipal, incidência do legislativo no pacto federativo do SUAS – Sistema Único de Assistência Social, reorganização e financiamento do SUS – Sistema Único de Saúde, e a nova proposta de regulação do transporte público coletivo no Brasil.
Apesar de a programação contar com seis arenas de debates na tarde de segunda, todas realizadas das 14h às 18h, a Sessão Solene de abertura ocorreu nesta manhã, 28, às 9h. Os debates seguirão em torno de Consórcios Públicos, Meio Ambiente, Contabilidade, Turismo, Defesa Civil e Trânsito. Também a Lei de Licitações e obras municipais paradas serão debatidas junto aos gestores municipais participantes. E, no dia 29, serão tratados Cultura, Trânsito e Mobilidade, pela manhã, e, à tarde, Finanças, Resíduos Solidos e Censo Demográfico – repercussão no rateio de recursos públicos. No último dia da Marcha, dia 30, serão reforçados temas nas áreas de Saúde, Contabilidade, Finanças e Meio Ambiente.
Dom Feliciano como exemplo
Em 2018, o prefeito Clenio levou para o encontro nacional exemplo de boas práticas relacionadas à água, com o programa de Fontes Protegidas, desenvolvido com a EMATER/ASCAR -RS/Dom Feliciano. Clenio palestrou sobre a questão da problemática do financiamento deste tipo de programa, explicando: “a alternativa não é vista como efetiva na solução do abastecimento”. “A Prefeitura tem feito isso com recursos próprios para as famílias que são atendidas por programas sociais. As demais famílias entram com material, e nós entramos com a mão de obra, além de orientar como utilizar e preservar a nascente”.
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Ver insights e anúncios
Turbinar publicação
 
Todas as reações:

39