23 de Maio de 2018

Prefeitura Municipal de Dom Feliciano

Compartilhe esta página
com seus amigos

Notícias

Você está: Notícias > Detalhe

Ei, CORSAN: Dom Feliciano necessita de melhorias no abastecimento de água

09 de Maio de 2018
A Semana Nacional do Meio Ambiente começa em 1 de junho e vai até 5 de junho, quando se celebra o Dia Mundial do Meio Ambiente. O CONDEMA - Conselho Municipal de Defesa do Meio Ambiente, com o apoio da Secretaria de Desenvolvimento Rural Sustentável e Meio Ambiente – Departamento de Meio Ambiente, e Secretaria de Saúde, entre outras atividades, realiza pesquisa de opinião sobre a qualidade da água, fornecida pela CORSAN no município. O documento que também objetiva ter caráter de abaixo-assinado será encaminhado à Companhia para providências, já que, conforme o presidente do Conselho, Eduardo Mesquista, muitas pessoas se manifestam descontentes, tanto junto ao Conselho, quanto na Vigilância Sanitária da Secretaria de Saúde. A ação pretende documentar, portanto, o grau de satisfação dos usuários, ao mesmo tempo em que chama a atenção com relação aos serviços prestados pela CORSAN, que estão abaixo das demandas do município.
Em março de 2017, equipe formada pela Vigilância Sanitária da Secretaria de Saúde e do COMDEMA fizeram diligência para analisar a situação das instalações da ETA - Estação de Tratamento de Água da CORSAN, bem como, o local de captação de água bruta que vai para tratamento. As instalações da Estação são as mesmas desde 1981, época que possuía 250 ligações e, atualmente, tem em torno de 1.250. De início, operava com 15 mil litros de vazão e hoje com 12 mil litros, conforme informações obtidas junto a CORSAN, mostrando a precariedade do sistema.
Conforme relatório, realizado pela equipe, há muitos anos não são realizados investimentos na Estação de Tratamento do Município que apresenta problemas como falta de proteção no local da captação de água, ficando livre o acesso de pessoas e animais, tornando o local arriscado para acidentes e vandalismo.
O acesso ao local da captação de água bruta, conforme a equipe, é difícil. Foi dado início, há cerca de 25 anos, à construção de uma nova estação de captação, em outro local, porém não foi concluída. Quando acontecem as enxurradas é utilizada a captação antiga que está em condições precárias. O relatório considera que há necessidade de construir um reservatório de água para que, quando ocorrem as enxurradas, tenha local para captar água sem danificar as bombas adutoras.
Outras demandas ainda foram constatadas: necessidade de trocar parte da rede, que ainda é de amianto, limpeza nos reservatórios por empresa especializada, no mínimo, anualmente, com manutenção dos registros na Estação. O espaço físico da ETA é pequeno: o laboratório é utilizado como escritório, onde reagentes para análises e autoclave se misturam com fogareiro, botijão de gás e geladeira de uso dos funcionários. Constataram também que há necessidade de um almoxarifado para manter material de reserva suficiente para atender as necessidades, já que, quando ocorre algum problema, existe demora a ser solucionado, porque o material ou equipamento precisa vir de Camaquã ou Rio Grande.
Segundo verificaram ainda, há falta de recursos humanos para atender todos os processos da ETA. Conforme reclamações de usuários há insuficiência de pressão na rede, pois a água não chega em alguns horários e pontos mais elevados da cidade como na Rua dos Imigrantes e Rua Ceslavo Bystronski. Há muitas reclamações de usuários, que relatam a falta de água diariamente, pela manhã, e, quando vem, é com muita turbidez.
A equipe julga necessário organizar equipe de plantão local em finais de semana e feriados, pois ocorrem vazamentos grandes de água e não há quem conserte - precisa vir equipe de Camaquã para fazer a contenção, enquanto a água tratada é desperdiçada, causando prejuízos ambientais.
Compete à população
Com relação ao papel dos usuários, a equipe vê a necessidade de conscientização para que não joguem lixo às margens do Arroio Forqueta. Também é necessário que os moradores invistam em sistema individual de tratamento de esgotos, voltado para uso doméstico, já que o Município não possui Rede Pública de Coleta de Esgotos. Os sumidouros atendem de maneira simples, eficiente e barata e protegem o meio ambiente.